PARLAMENTO DOS JOVENS




O Parlamento dos Jovens é um projeto coordenado pela Assembleia da República que tem como objetivos fundamentais, entre outros: educar para a cidadania, estimulando o gosto pela participação cívica e política; promover o debate democrático, o respeito pela diversidade de opiniões e pelas regras de formação das decisões; estimular as capacidades de expressão e argumentação na defesa das ideias, com respeito pelos valores da tolerância e da formação da vontade da maioria. Em cada ano aborda-se um tema diferente, escolhido pelos participantes do ano anterior, através de um processo democrático de seleção em cada uma das fases. O tema deste ano é Fake News – O impacto da desinformação na democracia”. O projeto desenvolve-se em três fases: a escolar, a distrital/regional e a nacional, com sessões distintas para o ensino básico e para o ensino secundário. A fase escolar iniciou-se em novembro e culminou, na nossa escola, com a realização da sessão escolar, no dia 26 de janeiro. Nessa sessão, os 15 deputados eleitos em representação das duas listas que concorreram às eleições, selecionaram e aprovaram três medidas que integraram o projeto de recomendação da nossa escola, o qual concorreu com os projetos de outras escolas na sessão distrital. Nessa sessão, cada escola participante apresentou o seu projeto de recomendação, que foi defendido por dois deputados efetivos e um suplente, eleitos nas respetivas sessões escolares, com vista a aprovar um projeto de recomendação do distrito, para levar à fase nacional, na Assembleia da República. A sessão distrital relativa ao ensino secundário decorreu no dia 15 de março, em Viseu, no Auditório do Instituto Politécnico, e o projeto de recomendação da nossa escola foi defendido pelas deputadas Maria João Rodrigues dos Santos, do 12º ano e Juliana Pinto do 10º ano.

O projeto de recomendação da nossa escola apresentava as seguintes medidas:

1 – Criar indicadores de fiabilidade da informação, fundados em critérios de transparência, e premiar os agentes de comunicação que melhor os respeitem, com a atribuição de selos de qualidade.

2 – Promover campanhas de sensibilização e ações de formação para toda a comunidade, por forma a tornar os cidadãos capazes de identificar notícias falsas e a perceber os efeitos negativos da desinformação.

3 – Inserir a questão das fake news e da desinformação como um dos temas integrantes da área de Cidadania e Desenvolvimento, em todas as escolas.